• Quarta, quinta, sexta e segunda: de 18h30 às 21h30
  •  12 h (4 encontros)
  • 3x R$170 (total: R$510)

pré-matrícula

O bem querer tem por objetivo discutir a fotografia documental humanista, a comunicação e os direitos humanos a partir de conversas sobre história da fotografia, fotógrafos humanistas, experiências com fotógrafos populares e a fotografia compartilhada. Serão propostos exercícios práticos para estimular o olhar para si e para o outro como, por exemplo, autorretrato ou autorrepresentação e uma foto de quem se ama.

Em síntese, trabalharemos a fotografia como bem querer e a importância do belo como contra-ponto à informação única.

Serão pedidos dois exercícios práticos. O auto retrato, a auto representação e revelação. Acompanhar alguém que ama, fotografando diariamente e editando junto com o fotografado.

 Programa:

  • Primeiro dia

- Explicação da oficina;

- A Comunicação e a fotografia como direito humano fundamental;

- Conversa sobre a história da fotografia, a comunicação oficial única e os estereótipos;

- O processo de estigmatização e marginalização dos moradores das

favelas e demais espaços populares;

- A história única e as experiências de quebra da história única. O direito de investigar e divulgar uma informação;

- A experiência do Imagens do Povo, uma agência escola de fotógrafos populares e a tentativa de uma fotografia compartilhada, o Imagens Humanas, fotos de Ripper;

- Apresentação do vídeo “O Perigo da História Única”, da escritora nigeriana Chimananda Ngozi.

  • Segundo Dia

- As fotos “limpas” de Roger Fenton na Criméia (1855) escondem os conflitos e introduzem a censura na reportagem fotográfica;

- As fotos de Mathew Brady mostram os horrores da Guerra de Secessão (1865);

- A fotografia documental da Farm Security Administration: Roy Striker, Walker Evans e Dorothea Lange;

- Conversa sobre o trabalho de fotógrafos humanistas: Henri Cartier-Bresson, W. Eugene Smith, Sebastião Salgado, Lewis Hine e Don McCullin – Dormindo com Fantasmas – e Rovena Rosa. O homem como elemento principal, a edição no discurso político, a mudança do olhar e o aprendizado com o próprio trabalho.

  • Terceiro dia

- Continuação da Conversa sobre o trabalho de fotógrafos humanistas: Henri Cartier-Bresson, W. Eugene Smith, Sebastião Salgado, Lewis Hine e Don McCullin – Dormindo com Fantasmas – e Rovena Rosa. Tatiana Altberg, Alexandre Sequeira, Adriana Medeiros, Valda Nogueira. O homem como elemento principal, a edição no discurso político, a mudança do olhar e o aprendizado com o próprio trabalho.

  • Quarto dia

- Apresentação dos autorretratos ou fotos de pessoas queridas feitas pelos participantes da oficina.

- As fotografias de autorretrato, autorrepresentação e de pessoas a quem se quer bem; edição do trabalho; projeção da edição e avaliação da oficina.

Formas de pagamento:
- Em até 3x sem juros pelo PagSeguro;
- Em cheque (em até 2x);
- À vista (com 10% de desconto): entre em contato conosco pelo email contato@atelieoriente.com

 

Professor:

321854_2952430211529_1546494540_o.jpg

João Roberto Ripper: nascido em 1953, no Rio de Janeiro, trabalhou como repórter-fotográfico dos seguintes jornais e agências fotográficas: Luta Democrática, Diário de Notícias, Última Hora, O Globo, Agência F4 e Imagens da Terra. Atuou como diretor na Associação dos Repórteres Fotográficos e Cinematográficos do Rio de Janeiro, no Sindicato dos Jornalistas do Município do Rio de Janeiro e na Federação Nacional dos Jornalistas. Foi coordenador das campanhas pela obrigatoriedade do crédito na fotografia e contratos de direito autoral e o responsável pela criação e implantação das tabelas de preços mínimos. Idealizador e coordenador do Projeto Imagens do Povo do Observatório de Favelas.

Publicou, em 2009, o livro “Imagens Humanas”, que apresenta 195 fotos, algumas inéditas, selecionadas a partir de um acervo de 150 mil imagens, que arrebatam o olhar e traduzem a realidade desse país, com a sensibilidade que legitima o trabalho do mestre Ripper. O livro apresenta ainda uma entrevista exclusiva com Ripper, que é referência no cenário da fotografia documental brasileira.

Veja mais dos seus trabalhos em:

https://imagenshumanas.photoshelter.com/index